Como lidar com o FOMO, o medo de estar por fora

Artigo da psicóloga Juliana Passos para o blog Seja Leve. Ela é credenciada do Psicologia Viva, site de orientação psicológica online.  


Com a nossa vida cada vez mais imersa nas redes sociais, estamos cada vez mais expostos, vendo e sendo vistos, comentados, “curtidos”, seguidos. O fenômeno do FOMO surge exatamente neste contexto e traz com ele possíveis problemas para nossas vidas – alguns novos, outros nem tanto.

Continue lendo o artigo e saiba como o FOMO pode estar afetando a sua vida neste momento e o que fazer para superá-lo.

O que é o FOMO e como ele afeta o nosso bem-estar 

O interessante fenômeno psicológico Fear Of Missing Out ou simplesmente FOMO significa o “medo de ficar por fora” ou “medo da perda”.

É da natureza do ser humano evitar a todo custo perder coisas, pessoas, experiências, competições e relacionamentos. Quando perdemos alguma coisa nos sentimos devastados, sentimos um impacto duas vezes maior do que quando alcançamos ou ganhamos algo.

Este medo sempre existiu, porém, atualmente ele adquiriu características bem particulares, pois estamos vivendo um momento da experiência humana com novos modos de ser e se comportar que nos trazem inúmeros benefícios, mas também novos problemas.

É claro que hoje os avanços tecnológicos, a praticidade dos nossos celulares e as diversas possibilidades das redes sociais são um fantástico estímulo à nossa inteligência e criatividade.

Sentimos que precisamos acelerar para dar conta de tudo, acompanhar cada novidade, e ainda, exibir nossas conquistas, nossa felicidade. Temos acesso irrestrito à privacidade dos outros antes somente imaginada.

São viagens de férias, aquele restaurante da moda, a nova decoração da casa. O hábito da comparação é inevitável, nos deprime e nos deixa exaustos emocionalmente.

É exatamente aí que está o perigo de desenvolvermos o FOMO. Somos bombardeados por imagens de sucesso, perfeição, conquistas e de ideias de que devemos fazer mil coisas ao mesmo tempo, e todas com exatidão.

Quando caímos na armadilha de comparar a nossa vida com essa vida artificial que nos é estimulada, começamos a desenvolver este sofrimento que pode ser bastante prejudicial à nossa vida emocional e até mesmo financeira.

Ao fazermos compras (especialmente online), por exemplo, é comum visualizarmos artigos completamente fora das nossas condições financeiras.

E, ao finalizarmos a compra, é possível que sintamos dificuldade de abandonar aquele item mais caro, como se ele já fosse nosso. É o FOMO operando antes mesmo de possuirmos algo e nos causando prejuízos financeiros.

Quanto mais opções tivermos, pior é o nosso processo de escolha, pois o que foi escolhido imediatamente se torna um arrependimento. A dor da perda do que não foi escolhido e do que não está sendo vivido é o lema daquele que sofre de FOMO.

Será que estou desenvolvendo o FOMO?

Para descobrir se você está desenvolvendo o FOMO, observe se estas três situações são comuns no seu cotidiano:

  • Sensação constante de que escolheu errado, desde as coisas mais simples às mais complexas decisões. O FOMO causa ansiedade através da diminuição da confiança nas próprias decisões;
  • “Eles estão se divertindo e eu não”: a tão conhecida inveja, uma mistura de ressentimento e inferioridade. A sensação é de abandono, amargura;
  • “Eu sou um fracassado”: diante do que se vê no outro, se percebe um desnível, como se a vida ideal fosse inalcançável.

Dicas para superar o FOMO 

Confira no infográfico (clique na imagem para ampliar): 

5 (100%) 4 votes

Deixe o seu comentário