Home office: minhas conclusões 6 meses depois

Assim que comecei a trabalhar home office fiz um post contando as minhas primeiras conclusões sobre o trabalho remoto ou teletrabalho. No meu caso, comecei a trabalhar em casa como autônoma. 

Passados seis meses, escrevo para dizer que SIMMMMMM, o home office está funcionando para mim! A fase de adaptação já passou e com ela boa parte das dificuldades que eu sentia no começo.

Mas não pense que está tudo mil maravilhas não, porque os desafios continuam, pelo menos para mim. 

Neste post vou falar um pouquinho da parte boa e da parte ruim que experimentei até agora e contar por que eu acho o home office uma faca de dois gumes. Continua aí e comenta no final? Quero saber a sua opinião! 

1 – Delícia não ter que sair de casa em dia de chuva

                                                     via giphy 

Para mim, um dos momentos mais prazerosos do home office é acordar em dia de chuva e não precisar sair de casa para trabalhar.

Um temporal caindo lá fora e você no quentinho de casa, sem ter que se preocupar com trânsito, atraso, pé molhado, frizz no cabelo, guarda-chuva, alagamento…

É mesmo uma maravilha. Dependendo do dia, dá até para fazer uma horinha na cama e levantar um pouquinho mais tarde, só para curtir a chuvinha.

Se estiver com o trabalho em dia, por que não? É nessas horas que eu aproveito a flexibilidade que o home office me dá. Compensando depois, qual o problema de dormir meia horinha a mais? Vamos nos permitir!!♫♫♫♫

2 – A vida é um tanto solitária sem colegas de trabalho

Antes de trabalhar home office, trabalhei por sete anos em uma agência de comunicação. Trabalho convencional, ou seja, ia todos os dias para o escritório e convivia com colegas de trabalho, chefe, clientes, fornecedores, funcionários do prédio…

Hoje, trabalhando em casa, é tudo diferente. Passo boa parte do dia sozinha, sem um coleguinha ao lado para conversar amenidades, chamar para o cafezinho, discutir onde vai ser o almoço, rir das pérolas dos clientes..

Para mim, essa rotina solitária é a pior parte! Sinto falta principalmente de companhia para almoçar. Chego no restaurante e tá lá uma galera com o crachazinho no pescoço, batendo mil papos na mesa ao lado. Confesso que a solidão bate com força nessas horas…rsrs

Mas não é nada insuportável não, viu gente? Pelo menos até agora…rsrs De toda forma, penso em mudar de ares de vez em quando e trabalhar em espaços coworkings ou cafeterias com wifi grátis. Vai ser bom para sair um pouco da “bolha” e evitar o risco de virar um eremita triste! 

3 – É difícil saber a hora de parar

 Giphy 

Trabalhando em casa, percebo que é muito fácil ir além das 8h ou 9h horas diárias de trabalho. 

Dependendo da época, eu sei que é necessário intensificar o ritmo, ainda mais quando você é autônomo e precisa garantir a renda do mês seguinte.

O problema é quando o excesso de carga horária vira rotina, sem perceber. É muito fácil isso acontecer quando você trabalha no conforto do seu lar.

Para encerrar o expediente, basta desligar o computador e pronto! Não tem que bater ponto, preocupar com deslocamento, sofrer com trânsito…

Essa comodidade toda é um convite para dar uma esticadinha no horário de trabalho. Se ninguém ou nenhuma situação te interromper, você vai trabalhando, trabalhando, trabalhando, e quando vê, são 9h da noite.

Não acho esse “batidão” saudável, porque nos faz perder o tempo livre para descanso, lazer e atividade física. Resultado? Exaustão, estresse, sedentarismo, insônia…

Para me policiar, estipulei um horário limite para encerrar o expediente (19 horas) e estou tentando seguir o relógio, na medida do possível. Confesso que está difícil! rs

4 – O fim das interrupções desnecessárias? Mais ou menos!

Em um escritório convencional, ninguém se salva das interrupções. É o cliente ligando toda hora, o chefe mandando e-mail urgente, o colega voltando na sua mesa “só pra mais uma perguntinha”…

Enfim, todo mundo interrompe e é interrompido durante o trabalho. Faz parte do jogo, e não é diferente no home office. Porém, sinto que as interrupções são menores no meu caso, porque não tenho companhia em casa enquanto estou trabalhando. Não tenho telefone fixo também! 

Mas é óbvio que as interrupções acontecem por aqui. Distrações, então, nem se fala!

Agora mesmo, por exemplo, quase apareci na janela para contribuir com a discussão das vizinhas sobre a febre amarela. Estão as duas confabulando sobre a vacina: “Afinal, tenho ou não que tomar outra dose?” – eis a questão. 

Outro dia foi o lava-jato aqui do lado e a sua máquina super barulhenta que me desconcentrou completamente…No dia seguinte, a máquina de novo. E no outro também. E no outro, um funk para animar a nossa tarde! 

Sem contar, é claro, que tem sempre uma reforma acontecendo em algum lugar bem próximo da sua casa! Mas ainda assim a minha concentração e produtividade são bem maiores. 

5 – Home office = flexibilidade que não tem preço 

Poder acordar um pouquinho mais tarde depois de esticar o expediente no dia anterior. Sair para resolver questões pessoais fora do horário de almoço. Ir ao médico às 3 da tarde e não precisar pedir atestado.

Não perder três horas diárias com deslocamento. Não estressar no trânsito depois de um dia cheio. Trabalhar duro a semana inteira pra folgar na sexta-feira. Ir ao aeroporto no meio da manhã buscar a amiga que mora fora.

Viajar antes da véspera de feriado para não pegar a estrada cheia. Não precisar sair de casa num dia de chuva ou no dia do julgamento do Lula. rsrs Poder tomar café da manhã sem pressa (antes eu tomava no trabalho!) e estender o horário de almoço quando preciso, sem culpa.  

Estar disponível para receber desde a encomenda dos Correios até a entrega do sofá novo. Trabalhar no feriado para colocar o trabalho em dia. Poder trabalhar em casa ou na varanda do hotel, com vista para a praia. 

Para mim, essa flexibilidade é a melhor parte!

6 – No feriado vai ter trabalho sim!                                           

via giphy

Desde que comecei a trabalhar em casa, por conta própria, trabalhei todos os feriados, exceto Natal e Revéillon. Não foi algo programado ou forçado, do tipo “EU TENHO QUE TRABALHAR TODOS OS FERIADOS!”.

Foi mais uma questão de unir o útil ao agradável. Eu não ia viajar, não tinha compromisso importante e o trabalho estava acumulado. Nada mal abrir o computador pelo menos meio horário para colocar as coisas em dia, hein? 

Assim pensei e então trabalhei, por livre e espontânea vontade! E não achei nada sacrificante ou cansativo, sabe? Pelo contrário, foi ótimo! Dormi até mais tarde, trabalhei meio horário e depois descansei. Super light! 

Além do mais, sei que trabalhar nos feriados e aos fins de semana não é exclusividade minha. É o que acontece quando você é profissional autônomo e precisa garantir a renda no fim do mês!

7 – Alerta de perigo: geladeira próxima 

No momento há um pote de doce de leite cremoso na minha geladeira. Duas latinhas de Coca-Cola também. No freezer, pães de sal congelados + pão de queijo + sorvete. 

Eu não comprei nada disso, porque sei dos riscos da combinação home office + gordices na geladeira. Acontece que eu divido apartamento com Bruno, meu namorado, que acha ok comprar um docinho de leite toda semana “para quando der vontade”.

Fácil pra ele, né? Não fica o dia inteiro em casa, a três metros de distância da geladeira…. Aí é fácil mesmo! hahaha…Agora para mim, que fico beliscando bobagens e engordando, está problemático o negócio. 

Se eu pensava que o home office me ajudaria com a alimentação saudável, até o momento só me enganei…(ok, eu não estou me ajudando. E Bruno, me ajude você também! rsrs) 

8 – Criar um ambiente faz diferença 

Quando comecei a trabalhar em casa, eu não tinha um quarto sobrando para montar escritório, nem achava uma boa trabalhar no meu quarto. Era um espaço pessoal demais, ainda que tivesse uma escrivaninha. 

O jeito então foi eleger a mesa de jantar como minha estação de trabalho. Espaçosa, com boa iluminação, mas era o lugar onde eu fazia as refeições, né?

No início eu não via problemas nisso, mas depois fui sentindo que as coisas estavam se misturando demais e isso não era bom. Sem contar a bagunça né? Eu terminava o expediente e deixava tudo em cima da mesa – notebook, papéis, garrafinha de água….

Depois que me mudei de apartamento, vi o quanto faz diferença ter um cômodo próprio para trabalhar. Um escritório mesmo, com mesa, gavetas, armários, itens de decoração… Para mim, esse ambiente estruturado ajudou demais no foco e na concentração. 

É um lugar onde eu só entro para trabalhar, então fico com a sensação de que a vida pessoal x profissional estão um pouco mais divididas, sabe? Cada coisa no seu devido lugar! 

9 – Vida profissional x doméstica 

No início do home office eu não sabia se respondia e-mail ou colocava a roupa para lavar. Eu queria me concentrar apenas no trabalho, mas os afazeres domésticos me dispersavam sempre.

Agora eu consigo separar bem as coisas. Começo a trabalhar e dificilmente penso em levar para alguma tarefa doméstica.  

Eu deixo essa parte para os intervalos (almoço ou lanche) ou para os horários antes ou depois do expediente. Nada de levantar da mesa para varrer o tapete ou limpar a pia do banheiro.

Parece só uma ajeitadinha rápida, mas é mais uma interrupção para quebrar o meu ritmo de trabalho. Aí volto para a mesa e ………..”onde foi mesmo que eu parei?”. 

4.4 (88.57%) 7 votes

1 comentário


  1. Disse tudo, o home office é uma faca de dois gumes! Pode ser uma maravilha, mas também, um perigo caso você não consiga se organizar bem! Tive uma experiência em que eu acordava trabalhando e ia dormir trabalhando, e as consequências não são legais, stress, dores de cabeças, conflitos com as pessoas amadas!

    Ando tentando me policiar e curtir o que o home office tem de melhor!!

    Responder

Deixe o seu comentário