Desafio meditação guiada: mais 10 dias concluídos!

Namaste, namaste! O Deus que há em mim saúda o Deus que há em você! 

É com muita alegria gratidão que venho contar que completei 20 dias do desafio da meditação guiada.

E, como você pode perceber, já faço uso de expressões próprias do meu novo mundo! Um mundo de pessoas que meditam. E fazem isso diariamente ou every day! 

Quem diria, viu? rs Não achava que fosse passar nem da primeira semana, agora tô aqui caminhando pra última! 

Neste artigo vou contar o que mudou nestes 20 dias de meditação guiada e qual o meu incentivo para continuar meditando. Vou compartilhar também os aplicativos de meditação gratuita que testei nesta segunda semana.  

O que mudou da primeira semana pra cá 

Algumas preferências mudaram. Exemplo: o melhor horário para meditar. 

No artigo dos primeiros 10 dias de desafio contei que o horário da manhã não estava funcionando pra mim. Já acordava pilhada e não conseguia concentrar direito na meditação.

Falei também que ia meditar só à noite nas próximas semanas, pra ver se funcionava melhor. Fiz o teste, mas sabe de uma coisa? Não tô achando legal esse negócio de meditar antes de dormir.

Ontem, por exemplo, saí para beber cerveja, voltei tarde e morri de preguiça de meditar. Com muita força de vontade, deitei na cama, pus o fone de ouvido e deixei a Juliana Goés falar. 

Resultado? Dormi. #etudobem

Eu na melhor posição até o momento…

Outra mudança: a posição para meditar. Antes estava meditando deitada, porque sentia desconforto e dor quando sentava no chão com as pernas cruzadas, a famosa posição de índio! 

Sei que essa dificuldade é normal para quem está começando, mas não tava muito afim de superá-la. Tava ótimo deitar e meditar! rs 

Mas aí fiquei pensando: há quanto tempo eu não sentava no chão de pernas cruzadas? Não faço yoga, nem alongamento. Também não meditava antes. Quando foi que me sentei assim? rs

Fiquei realmente convencida de que o problema todo é a falta de costume/alongamento. Aceitei esse fato com humildade (medito, logo aceito..rs) e comecei a meditar só sentada, para ver se acostumo. Meio índio é A posição! 

Os benefícios perceptíveis até agora

Comecei a meditar pensando em reduzir a ansiedade, dormir melhor, me concentrar mais e me sentir mais relaxada no fim do dia. 

Até agora senti uma leve melhora na qualidade do sono, mas não sei até que ponto isso é fruto da meditação ou influência de outros fatores. Me sinto menos ansiosa também, mas já vinha trabalhando isso antes do desafio. 

Na verdade, não estou me prendendo aos resultados, porque acho 20 dias pouco tempo demais para uma mudança significativa.

Para mim, o mais importante desse desafio é adquirir o hábito de meditar para, em longo prazo, colher os benefícios que espero. 

via GIPHY

O incentivo para continuar 

O que mais tem me incentivado a continuar meditando é a sensação de relaxamento que sinto durante as sessões. É impressionante ver como o corpo vai se livrando das tensões, a respiração ficando mais lenta e o foco se voltando para o presente. 

Tudo fica mais fácil quando me concentro no movimento de inspiração e expiração e tomo consciência do ritmo da minha respiração. 

Estou tentando prestar mais atenção nisso durante a meditação e no dia a dia também. 

Quando tudo tá corrido demais e “mal dá tempo de respirar”, dar uma bela de uma respirada profunda pode ser relaxante. Já me vi fazendo isso depois que comecei a meditar. E é bom! 

via GIPHY

E a disciplina, como anda? 

Nestes 20 dias de desafio, esqueci de meditar quatro vezes. Todas no fim de semana. 

São dias em que saio da rotina, então realmente corro o risco de esquecer. Sem contar que a meditação ainda não é um hábito, então é natural que eu me esqueça às vezes, né? 

O que estou tentando fazer é meditar sempre de manhã nos fins de semana, antes do dia começar, associando a prática da meditação com uma atividade rotineira. Assim: tomar banho, trocar de roupa, sentar e meditar!  

Sei que alguns aplicativos de meditação, como o 5 Minutos, têm a função de lembrete, como o celular. Mas eu não uso não, pra não virar obrigação demais! rs 

Ah, por conta dos esquecimentos, o desafio vai terminar no dia 30 de outubro, ou seja, com quatro dias de atraso. #ateomomento #previsaoéessa 

Os aplicativos de meditação guiada que testei 

Nestes últimos 10 dias meditei com aplicativos de meditação, sempre na versão grátis.

Testei alguns bem famosinhos, como o Headspace e o Calm, mas nenhum passou no meu teste. Motivo: falta de tradução para o português. 

E não me venha com essa história de que estou diante de uma boa oportunidade para aperfeiçoar o inglês. Quero não. Deixa pra outra hora. rs

Durante a meditação guiada quero entender tim por tim da narração, sem fazer o menor esforço. Não quero me preocupar com o idioma, só relaxar. rs

Alguns aplicativos, como o Sattva, tem tradução simultânea, mas não sei se o plano gratuito me dá direito a isso…

Pelo menos as meditações guiadas que testei não eram traduzidas para o português. Uma só, aliás, chamada “Transformando Emoções”.

Até agora, o único que salvou foi o Insight Timer, que é o meu preferido no momento

Aplicativos em português e próximos testes

Em português já testei o Medite-se e o Zen (plano 7 dias grátis).

Achei esse último mais completo, mas tem que tomar cuidado com uma coisa: na hora de assinar o plano grátis, você precisa informar os dados do seu cartão de crédito. Se não cancelar antes dos 7 dias, os R$ 119,99 da assinatura anual será cobrada no seu cartão. 

Nos próximos 10 dias, vou testar o Stop, Breathe and Think (não sei ainda se tem tradução), o 5 Minutos e o Medita!.

Também descobri a Jeanne Pilli e suas meditações guiadas no Soundcloud. Vou experimentar e conto no próximo artigo! 

E vocês, alguma dica para compartilhar? 

5 (100%) 1 vote