5 conselhos que eu gostaria de ter escutado nos meus 20 e poucos anos

Nova-imagem11-scaled 5 conselhos que eu gostaria de ter escutado nos meus 20 e poucos anos
Bêbada na foto.

Quase 35 e voltando lá nos meus 20 e poucos anos. Faz tempo, mas nem parece tanto assim. Nos últimos meses, andei revisitando essa Marcela aí da foto, então as memórias estão vivas aqui. 

Dessa viagem ao passado veio a nostalgia e também a certeza: meus 20 e poucos anos foram uma das melhores fases da minha vida até agora, mesmo com a falta de dinheiro, a imaturidade e o batidão de trabalho + faculdade. 

Mas se eu pudesse entrar numa máquina do tempo com a cabeça de hoje, eu gostaria de ter escutado os conselhos que vou compartilhar agora. Alguns eu até cheguei a ouvir, mas era nova demais pra entender e seguir. Outros eu aprendi errando. 

Então aqui estou pra relembrar e dividir os maiores aprendizados que ficaram daquela época, mas sem a pretensão de aconselhar os “xóvens” que estão lendo esse post. Não vou bancar a tiazona conselheira aqui não! hahaha

Mas vou bancar a nostálgica que quer matar a saudade e contar algumas histórias. Lembra que eu falei sobre documentar a jornada? Essa é a ideia também. 

Então vamos? E vamos ao som de Raimundos! hahaha

1 – Fale o que você sente

via GIPHY

Difícil dar um conselho desses pra alguém de 20 anos, né? Naquela época, eu nem sabia direito nomear sentimentos, quanto mais falar ou demonstrar o que eu sentia. Muitas vezes era mais fácil esconder, disfarçar ou dividir só com a minha psicóloga.

Quando eu digo sentimentos, estou falando no sentido amplo da palavra. Raiva, frustração, decepção, afeto, tristeza, medo…Pra mim, era difícil expressar. 

E quando eu gostava de alguém? Aí é que a confusão tava formada! Ou eu disfarçava ou demonstrava exatamente o contrário do que eu sentia.

Só era diferente quando eu tinha a total e absoluta certeza de que era correspondida, o que fazia tudo virar um jogo de adivinhação ou de arrisca tudo pra quem gostava de mim. Eu agia assim por timidez, insegurança, autodefesa, joguinho, medo da rejeição…..

Mas nada como o tempo e uns 12 anos de terapia, né? hahaha Hoje sou bem diferente daquela Marcela e aprendi uma coisa: sentimento guardado é sentimento dobrado. E num adianta, uma hora transborda. De um jeito ou de outro…

2 – Namore, mas se terminar, não volte  

via GIPHY

Tá aí um conselho que eu recebi naquela época, mas quem disse que eu ouvi? hahaha E tudo bem, tem coisas que a gente só aprende errando. Hoje eu penso: por que dar segunda chance quando você pode ficar solteira no auge dos seus 20 e poucos anos?

Porque você era trouxa, Marcela. Hahaha Ia lá, terminava e depois voltava. Foi assim com meus dois namoros da época, sendo que eu tinha motivos suficientes pra nunca mais voltar.  

Eu sei que tem gente que volta, ajusta os ponteiros e vive o “felizes pra sempre”, mas pra mim só serviu pra prolongar o sofrimento e adiar o fim. 

3 – Invista desde cedo 

via GIPHY

Com 20 e poucos anos, eu não pagava aluguel, nem faculdade. Esses privilégios me davam total condições de começar a investir desde o primeiro estágio, no segundo período da graduação. Ganhava pouco, mas era só ir acumulando com o tempo.  

Só que eu tava entrando no mercado de trabalho, então eu ficava deslumbrada com aquele dinheiro na conta todo fim de mês. Aí eu ia lá e fazia o que? Torrava

Mais pra frente comecei a juntar, mas sempre pra uma viagem, curso e não sei mais o quê. Faltou pensar em longo prazo, sabe? Não só pela aposentadoria, que era algo distante, mas pela liberdade financeira.  

Esse despertar só veio anos depois, mas sinto que os jovens de hoje estão muito mais ligados nisso, graças ao influenciadores digitais. E não só os jovens, viu? Tem uma turminha entrando na bolsa com 13 anos! E eu que lute! hahaha

4 – Aprenda a cozinhar logo

via GIPHY

Aos 20 anos, eu saí da casa da minha mãe e fui morar com um dos meus irmãos, que cozinha maravilhosamente bem.

Eu podia ter aprendido a cozinhar com ele, mas preferi viver à base de delivery e congelado. Difícil escolher a vida saudável quando você trabalha o dia inteiro e faz faculdade à noite. 

Então eu comia quase sempre na rua – e mal, muito mal! Uma bobagem atrás da outra…Minha cunhada tinha uma padaria e eu tava sempre lá batendo ponto! Me vê um x-tudo, moço? Mais uma Coca-Cola, por favor! hahaha 

Com o tempo fui engordando e sentindo a necessidade de mudar a alimentação, mas dessa mudança até o primeiro arroz ainda levou um tempinho viu?! Hoje eu entendo a diferença que faz preparar a própria comida, principalmente pro bolso! Ops, pra saúde! hahaha  

PS: não bebo mais Coca-Cola. 

5 – Alongue, alongue, alongue

via GIPHY

Depois dos 30, a conta chegou e o meu corpo sentiu aqueles anos todos de sedentarismo. Mas naquela época eu saía antes das sete pra trabalhar, ia direto pra faculdade e voltava depois das 11. Que horas eu ia me exercitar?! 

Nem vem falar no horário de almoço ou no fim de semana. Exercício nas minhas horas vagas e raras? Nunca gostei! hahaha 

Agora corta pra 2022: eu no pilates levando um banho das coleguinhas 50+ e sofrendo pra concluir uma prancha de 30 SEGUNDOS! E aquele alongamento de tocar os pés com as mãos?? Só a faixinha elástica pra me levar até lá! hahaha 

Hoje eu entendo que alongar não é aquela parte que você pula antes e depois da atividade física. Alongamento é pra vida, ainda mais se você passa horas sentada, trabalhando. 

Falando nisso, parei de subestimar a ergonomia também. Sempre ouvia essa palavra nas empresas onde trabalhei, mas nem entendia direito o que era.

Depois que comecei a trabalhar em casa, um apoio pros pés tem seu valor. E cadeira Flexform? Nunca foi gasto, sempre foi investimento! hahaha

PS: você acha que eu comecei o pilates por livre e espontânea vontade, né? Que nada, foi recomendação médica mesmo! hahaha 

Agora deixa eu ir embora antes que isso aqui vire um e-book!

Mas antes, me conta: quais conselhos você gostaria de ter escutado nos seus 20 e poucos anos? Já contei os meus, agora me fala um?! O espaço para comentários tá aí embaixo.  

Leia também

👉 Documentar a jornada é mergulhar no autoconhecimento 

8 Comentários


  1. Gostaria de ter ouvido que eu não precisava me encolher para caber no espaço dos outros, tanto em termos de amizades quanto de namoros/paqueras!

    Como sempre, amei o texto, Cela! Tenho certeza que vai mexer com muitos 30tões por aí!!

    Responder

    1. putzzzz, tá aí um conselho que faltou nesse post, viu?!
      Obrigada por compartilhar, Malauzinha. E por estar sempre aqui 🙂

      Responder

  2. Má, eu amo os seus textos 😍
    Obrigado por compartilhar!!!!!!!!

    Responder

  3. Nem preciso dizer que na época você ouviu mais de um desses conselhos hahahahahaah

    Responder

    1. Amiga, imagino direitinho vc lendo o post…”pois é, eu avisei…”
      hahahahahahaaha
      te amo!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.