BBB 21: polarização, discurso de ódio e outras reflexões da reta final

Em 2020, voltei a assistir Big Brother depois de anos e anos. No contexto de isolamento social e pandemia, o BBB caiu como uma luva. Entretenimento e alienação era o que eu precisava. E foi o que o programa entregou. 

Corta pra 2021 e o BBB virou um hype na internet e nas redes sociais. Celebridades, jornalistas, cientistas, gente que eu nem imaginava, tava lá no Twitter falando de Big Brother. 

Entrar na casa mais vigiada do Brasil era como sair de um caos chamado Brasil e mergulhar num mundo paralelo de festas, abraços e tretas por bolos, biscoitos e afins.

Tivemos sim momentos de puro entretenimento, mas o fato é que o mergulho foi bem mais fundo no BBB21. A cultura do cancelamento como entretenimento, o discurso de ódio como engajamento, a fake news como manipulação

O outro lado do BBB veio mais forte do que nunca refletindo o que a nossa sociedade tem de pior. Do início ao fim, tivemos exemplos e mais exemplos de como as redes sociais podem ser tóxicas e do que as pessoas são capazes por trás das telas.

Vou entrar em um exemplo específico, a eliminação do Gil no domingo antes da final. Um choque pra muita gente, inclusive pra mim, que tava torcendo pra ele ganhar o 2º lugar.

Mas a torcida da Juliette é muito forte e eles votaram #foragil, o que deu pano pra manga, inclusive. Muita gente falando que jogaram baixo, acabaram com o sonho do Gil, estragaram a final do BBB etc etc. Não vi nada de errado na escolha, pra um ganhar o outro tem que sair…

Mas depois do Gil eliminado eu entrei no Twitter e só vi mensagens assim: 

“Não levou o prêmio, mas todo mundo sabe que o Gil é o único campeão possível”.

“Boicote ao BBB. Não assisto a final”.

“Se não fosse os ADM’s da Juliette, isso não teria acontecido…”

“Vamos votar no Fiuk pra avacalhar…”

Além de não aceitar a derrota, a torcida do Gil tava reduzindo e invalidando a trajetória dos três finalistas do programa. Aí você me diz: “Ah, mas é a opinião da pessoa”…

Mas quando alguém diz que “todo mundo sabe que o Gil é o único campeão possível”, eu não acho que a pessoa esteja só provocando ou dando uma opinião pessoal. 

Pra mim ela tá agindo com arrogância e sendo incapaz de reconhecer a derrota alheia. Tem mesmo que ser assim? Pra torcer pra alguém você precisa invalidar, desmerecer, reduzir a vitória do outro? Tem que odiar pra amar? Polarização até no BBB?

Até o Fiuk mereceu chegar à final, na minha opinião. Tava no meu TOP 3? Não. Foi protagonista? Não. Pipocou no jogo da discórdia? Várias vezes.

Mas o fato é que o cara foi salvo do paredão e ganhou a prova de resistência que garantia vaga pra final. Passou mais de 10 horas abraçado no batom gigante com água, vento e calor batendo na cara.

Aguentou firme, quando ninguém esperava que ele fosse aguentar. Mérito dele. Fazer o que?! Ir pro Twitter ameaçar o Fábio Júnior de morte? Porque foi isso o que fizeram com vários participantes ao longo de todo o programa. Ameaçaram de morte.

Não basta eliminar com alta rejeição, tem que acabar com a vida da pessoa? Tem que direcionar todo ódio e toda frustração pra um programa de reality show? Tem que “lacrar”? 

E enquanto as torcidas ficavam de fanatismo nas redes sociais, os “brothers” iam saindo da casa e seguindo a vida aqui fora. “O que acontece no jogo, fica no jogo” – foi o que vários disseram depois da eliminação, inclusive o Lucas Penteado.

E quem não saiu cancelado, tá ganhando dinheiro com publicidade. Ou sorteando Iphone 12. Ou apresentando live commerce da C & A. Ou fechando contrato com a Avon. Ou gastando a bolada que ganhou lá dentro do programa. 

E nós, o que ganhamos como espectadores? Fica a reflexão. 

1 comentário


  1. Marcela, aqui concordo com seu texto é digo também que para mim não fico morrendo pelo BBB e seus participantes, para mim existe muito mais do que BBB no momento serve sim para relax, na verdade sou anti fanatismo em todos os sentidos , o que mais me impressiona é a pessoa sair do programa e declarar , o melhor da minha vida passei aqui nestes dias poxa não concordo a vida para mim vai muito além de um Reality show. Minha opinião, bjs

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.